Idiomas sem Fronteiras: Aprenda como funciona!

publicidade:

Saiba mais aqui sobre esse projeto que os estudantes brasileiros tem de desfrutar através dessa iniciativa do Governo Federal, o Idiomas Sem Fronteiras é um novo programa que oportunizará o aprendizado e fluência de alunos interessados em diversos idiomas!

IDIOMAS_SEM_FRONTEIRAS

Se qualificar para o mercado de trabalho é o sonho de todo jovem ou adulto que está no mercado de trabalho. E o governo tem tentado ajudar bastante nisso, com programas como por exemplo o Pronatec ou o Fies. E além desses, existem muitos outros programas bacanas.O artigo de hoje é pra você que quer enriquecer seu currículo e sua cultura aprendendo outros idiomas através desse programa do Governo que é o Idiomas sem Fronteiras.

publicidade:

Veja Também: Você sabe o que é o SISU?

O que é o Idiomas sem Fronteiras?

O Idiomas sem Fronteiras é o mais novo e super comentado programa do Governo Federal, que tem parcerias com o Ministério da Educação (MEC), a Secretaria de Educação Superior e com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de nível superior. Esse projeto foi destinado aos estudantes que já são matriculados nas universidades federais ou estaduais, o objetivo é oferecer à esses alunos a oportunidade de terem um ensino de idiomas excelente e poderem usufruir disso em sua vida social ou profissional. O programa é destinado tanto aos alunos da graduação, mestrado ou doutorado.

publicidade:

O Idiomas sem Fronteiras quer ajudar o aluno que se interessa em fazer parte futuramente no outro programa do governo federal, o famoso Ciência sem Fronteiras, que tem proporcionado grandes oportunidades de estudos à alunos do Brasil inteiro à se formarem em diversas universidades pelo mundo, gerando profissionais cada vez mais capacitados capacitados pro nosso mercado profissional.

Esse novo programa visa abranger e proporcionar mais capacitação para que toda os cidadãos tenham oportunidades iguais de estudos, O Governo Federal lançou o Idiomas sem Fronteiras, para que tais estudantes se preparem em outra língua com antecedência, para, dessa maneira, concorrer às milhares de vagas do Ciência sem Fronteiras ofertadas, e também que isso assegure no futuro um preparo e maior conhecimento em outro idioma enriquecendo seu currículo profissional, aumentando mais suas chances no mercado.

Idiomas sem Fronteiras: inscrição

A documentação é bem específica de acordo com os cursos ofertados para sua cidade. Para você se informar com mais precisão e se inscrever no curso desejado, você deverá primeiramente ler o Edital nº33/2014. Nesse link você pode baixar o edital e as portarias e saber muito mais como funciona o programa e suas regras: http://isf.mec.gov.br/frances/pt-br/documentos

Após se cadastrar no site do Idiomas Sem Fronteiras e se candidatar à algum curso, depois da avaliação, você receberá o resultado da sua inscrição através do portal do aluno no próprio site do programa, eles te mandaram um email com as informações.

Se você se interessa mesmo por outros idiomas ou pretende estudar fora do país, não perca seu tempo e procure logo se cadastrar para algum curso.

Esperamos que o texto de hoje tenha lhe ajudado em suas dúvidas sobre o Idiomas Sem Fronteiras.

Para dúvidas e sugestões, nos deixem comentários!

publicidade:

FIES Sem Fiador

publicidade:

fies (2)Já sabemos que o FIES é um programa do MEC destinado à concessão de financiamento a estudantes matriculados em cursos superiores presenciais particulares, e com avaliação positiva nos processos conduzidos pelo MEC. Justamente por se tratar de um financiamento bancário de alto valor é exigido um fiador para contratação do FIES.

Há como financiar sem um fiador?

Para contratação do financiamento é exigida a apresentação de fiador. Existem dois tipos de fiança: a fiança convencional e a fiança solidária.

Porém, ficam dispensados da exigência de fiador os alunos bolsistas parciais do ProUni, os alunos matriculados em cursos de licenciatura e os alunos que tenham renda familiar per capita de até um salário mínimo e meio. Se o estudante não se enquadra dentro dessas opções deverá optar pelos dois tipos de fiador.

publicidade:

Quem NÃO poderá ser fiador?

• Cônjuge ou companheiro (a) do estudante;

• Estudante beneficiário do Programa de Crédito Educativo — PEC/CREDUC, salvo no caso de quitação total do financiamento;

publicidade:

• Cidadão estrangeiro, exceto cidadão português que comprovadamente possua a concessão dos benefícios do Estatuto da Igualdade, conforme Decreto nº 3.927, de 19 de setembro de 2001, comprovada por meio da carteira de identidade de estrangeiro emitida pelo Ministério da Justiça;

• Estudante que possua financiamento vigente concedido no âmbito do FIES.

FIES – Fiança convencional

A fiança convencional é aquela prestada por até dois fiadores cuja renda seja igual ao dobro do valor da mensalidade paga pelo estudante, considerados os descontos de pontualidade e de caráter coletivo oferecidos pela IES.

Em se tratando de estudantes beneficiários de bolsa parcial do ProUni, o fiador deverá possuir renda mensal bruta conjunta pelo menos igual à parcela mensal da semestralidade, observados os descontos regulares e de caráter coletivo oferecidos pela IES, inclusive aqueles concedidos em virtude de pagamento pontual.

Fiança solidária FIES

O grupo de fiadores deverá ser constituído na mesma agência do agente financeiro escolhido, reunidos em grupo de 3 a 5 participantes não sendo exigida a comprovação de rendimentos. Os estudantes deverão obrigatoriamente ser da mesma IES e do mesmo local de oferta do curso. Os estudantes não poderão ser do mesmo grupo familiar e ficarão restritos a oferecer essa modalidade a apenas um grupo.

 

publicidade:

FIES para Pós Graduação

publicidade:

O Ministério da Educação (MEC), confirmou no 2° semestre de 2014, a ampliação do Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) para os cursos de pós-graduação. Assim que as faculdades e universidades fizerem o cadastro, o MEC irá disponibilizar o sistema de adesão para estudantes que queiram pedir o financiamento da mensalidade. As regras e os prazos para a adesão deverão ser publicados no site do FIES.

Segundo o MEC, o FIES se consolidou com o modelo atual na graduação e tem 1,6 milhões de contratos firmados. Atualmente, cerca de 40% dos estudantes matriculados em instituições de ensino superior privadas são apoiados pelo FIES e pelo ProUni (Programa Universidade para Todos).

publicidade:

Veja também: Há como financiar FIES sem um fiador?

publicidade:

A nova modalidade: FIES Pós Graduação

A nova modalidade do FIES deverá atender mais de 31.600 potenciais beneficiários, matriculados em mais de 600 programas de pós-graduação stricto sensu ofertados por cerca de 170 instituições privadas. O FIES da pós-graduação não atenderá cursos de especialização (lato sensu) nem cursos de ensino a distância. Ainda segundo o MEC, alunos já contemplados com bolsas da Capes pelo Programa de Suporte à Pós-Graduação de Instituições de Ensino Particulares (Prosup) também não poderão solicitar o financiamento.

As demais regras do programa serão iguais às da graduação: o financiamento será parcial ou integral e o início do pagamento do empréstimo pode ser feito um ano e meio após a formatura. O crédito valerá para cursos avaliados pela Capes, como mestrados e doutorados, e não inclui especializações ou MBAs. Poderão participar mestrados e doutorados com nota igual ou superior a 3, sendo a nota máxima 7.

Acesse: portal.mec.gov.br e saiba mais.

A intenção de incluir os cursos de “pós” como beneficiados do FIES, é aumentar o número de estudantes na pós-graduação, pois essa é uma das metas do Plano Nacional de Educação (PNE). O objetivo do PNE é aumentar progressivamente o número de formados em cursos stricto sensu até 2024, de modo a emitir 60.000 títulos de mestrado e 25.000 de doutorado por ano. Atualmente, o número de formados em mestrado é de 42.800 e em doutorado, 13.900.

 

publicidade:

Empréstimo Estudantil pela Caixa Econômica Federal

publicidade:

Com o início do período de matrículas em faculdades e universidades particulares, muitos estudantes buscam financiamento para pagar os cursos. E o mais procurado é o FIES – Fundo de Financiamento Estudantil. O programa do Ministério da Educação (MEC) oferece financiamentos que podem cobrir até 100% do curso.

emprestimo caixa

Empréstimo é na Caixa

A Caixa Econômica Federal é um dos bancos oficias licenciado a operar o financiamento do Fies. Após as mudanças feitas pelo Ministério da Educação, a partir de 2010  trouxeram benefícios aos estudantes. Umas delas é a unificação da taxa de juros do curso, e hoje todos os cursos têm a taxa de 3,4% ao ano. Durante o curso, o bolsista paga um valor de até R$ 50 a cada três meses, e após se formar, ele terá um período de carência de 18 meses, em que não tem que pagar o Fies.

publicidade:

emprestimo-sem-consulta

Linha de crédito do FIES

A linha de crédito irá bancar a mensalidade do estudante em uma instituição privada de ensino. A única restrição é para alunos que já tenham aderido ao FIES para pagar outro curso e agora queiram fazer uma segunda faculdade, por exemplo. Também ficam vetados do FIES os alunos que estejam inadimplentes com o Programa de Crédito Educativo (anterior ao programa atual).

publicidade:

Outra mudança importante realizada nos últimos anos é sobre alunos que cursam licenciatura em medicina. De acordo com a Caixa Econômica, os universitários podem abater 1% ao mês da sua dívida trabalhando em unidades de saúde da rede pública.

Destacamos que os prazos aumentaram depois de reformulações, pois antes o estudante tinha duas vezes o prazo do seu curso para pagar. Por exemplo, se você estudasse em cinco anos, teria dez anos para pagar. Hoje, esse prazo aumentou para três vezes, ou seja, para um curso de cinco anos, o prazo para quitar a dívida com o Fies é de 15 anos.

Financiamento FIES pela Caixa Econômica Federal

Para requerer o financiamento, o interessado deve acessar o site do FIES, ou acessar diretamente pelo site da Caixa Econômica Federal pelo link http://www.fiesnacaixa.com.br/ . No site da Caixa, o estudante vai encontrar todas as informações sobre o FIES, o passo a passo , o simulador de valores, emissor de boletos, além de poder buscar uma agencia mais próxima para realizar o financiamento.

Inscrição FIES 2016

O estudante poderá fazer a inscrição no FIES em qualquer período do ano, de janeiro a junho, para o financiamento relativo ao 1º semestre, e de julho a dezembro, para o financiamento relativo ao 2º semestre do ano. Após o cadastro, os interessados serão chamados para se apresentar em uma Caixa Econômica Federal, e precisam apresentar RG, CPF e comprovante de endereço e renda, e fiador. Lembrando que fiador também precisa apresentar RG, CPF e comprovante de endereço e renda.

Cuidado para não perder o controle do seu dinheiro

infografico_fluxo_de_caixa_gestor_total

publicidade:

Como conseguir Fies para Odontologia

publicidade:

O curso de odontologia tem sido um dos mais procurados do nosso país. Os profissionais que atuam nessa área são muito bem pagos e há um mercado muito grande à disposição daqueles que escolheram a área.

FIES Odontologia

Sem dúvidas, o maior problema está na concorrência, não é fácil conseguir uma vaga, seja nas instituições privadas, com bons descontos nas mensalidades se utilizando de programas como o ProUni ou possibilidades de financiamento através do Fies, ou nas públicas, onde as vagas são provenientes de uma intensa disputa. Com isso, grande parte daqueles que almejam a atuação profissional como dentistas acabam ficando fora das salas de aula.

publicidade:

Sobre o Fies para Odontologia

O Fies é um programa criado pelo governo que visa garantir o acesso ao ensino superior. Especificamente para o curso de Odontologia e outros em áreas da saúde, as chances são maiores, pois as vagas são prioritárias.

O processo seletivo do Fies ocorre duas vezes por ano. Ele é feito sempre ao início de cada semestre letivo, logo após a seleção dos alunos em programas como SiSU e ProUni.

Todos os prazos são divulgados pelo MEC, por isso os interessados devem se manter atentos as novidades para não perder a chance de participar.

A exigência para que você possa concorrer as vagas é ter feito o Enem a partir de 2010, o candidato também não pode ter zerado na redação, e o seu desempenho deve ser superior a 450 pontos. Quanto a renda familiar, não deve ser superior a 2,5 salários mínimos por pessoa.

Como se inscrever no Fies para Odontologia

Ao acessar o site do Fies, especificamente durante o período determinado pelo MEC, você pode participar do processo de seleção fazendo as suas inscrições gratuitamente. Veja o passo a passo:

publicidade:
  • Acesse o site do Fies durante o período indicado para inscrições e seleção;
  • Preencha corretamente o formulário contendo as informações pessoais que serão solicitadas e espere o envio do e-mail de confirmação;
  • Ao abrir o e-mail de confirmação, e siga os passos indicados para ativar a sua inscrição;
  • Acesse novamente o site do Fies e escolha o curso de Odontologia para o financiamento entre as vagas ofertadas;
  • Para concluir a sua inscrição, siga atentamente as orientações do sistema e confirme-a.

Aqueles que forem selecionados, deverão preencher uma nova ficha no site do SisFies. Também será necessário encaminhar todos os documentos para a sua inscrição na universidade do qual você foi selecionado. Há um contrato que deve ser feito em agências da Caixa Econômica Federal ou no Banco do Brasil para o início da concessão do benefício.

Mantenha-se atento aos prazos! Apesar do curso estar na lista dos prioritários, ainda sim, com as reformulações feitas pelo governo no ano de 2015, conseguir o aceso está cada vez mais difícil.

São direcionadas para a área da saúde, engenharias e formação de professores, 70% das vagas. Esta distribuição é feita por microrregião e leva em consideração principalmente os dados de desenvolvimento do local, com base no que é divulgado pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Sobre o Fies

Criado pelo governo, o Fies tem a finalidade de incentivar os alunos de baixa renda a terem a possibilidade de serem selecionados para universidades privadas de qualidade e conseguirem o acesso ao ensino superior. Você pode iniciar o pagamento de sua dívida um ano e meio após ter concluído a sua graduação.

Os juros oferecidos para o financiamento estudantil estão abaixo do mercado e é possível parcelar a dívida em até três vezes a duração do curso financiado.

Quem está buscando por oportunidades em Odontologia, só irá descobrir as universidades que oferecem durante o período de seleção. Mas fique despreocupado com a qualidade delas, pois o MEC só seleciona instituições com avaliações positivas, ou seja, onde quer que você vá estudar, tenha a certeza de que contará com uma boa formação. Abaixo selecionamos algumas das opções que oferecem o financiamento através do Fies:

  • Universidade Estácio de Sá (UNESA)
  • Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL)
  • Universidade de Franca (UNIFRAN)
  • Centro Educacional Anhanguera (ANHANGUERA)
  • Universidade Cidade de São Paulo (UNICID)
  • Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)

Boa sorte!

publicidade:

Inscrição para o FIES 2016

publicidade:

Ano Novo chegando, novos planos e rumos na vida. E muitos optam por começar uma universidade. Mas se você esta sem dinheiro para pagar seu curso no momento, saiba que as oportunidades estão abertas.

fies-bolsas

O estudante pode contar com o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação superior a estudantes matriculados em instituições privadas. Podem recorrer ao financiamento os estudantes matriculados em cursos superiores que tenham avaliação positiva nos processos conduzidos pelo Ministério da Educação.

publicidade:

Em 2010 o FIES passou a funcionar em um novo formato. O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) passou a ser o Agente Operador do Programa e os juros caíram para 3,4% ao ano. Além disso, passou a ser permitido ao estudante solicitar o financiamento em qualquer período do ano. Ou seja, sua faculdade para 2015 está garantida.

Passo a Passo das inscrições do FIES 2016

Confira o passo a passo para solicitar o financiamento:

publicidade:

1º Passo: Inscrição no SisFIES

O primeiro passo para efetuar a inscrição é acessar o SisFIES (http://sisfiesportal.mec.gov.br/) e informar os dados solicitados. No primeiro acesso, o estudante informará o número do CPF, data de nascimento, um endereço de e-mail válido e cadastrará uma senha que será utilizada sempre que o estudante acessar o sistema.

Após informar os dados solicitados, o estudante receberá uma mensagem no endereço de e-mail informado para validação do seu cadastro. A partir daí, o estudante acessará o SisFIES e fará sua inscrição informando seus dados pessoais, do seu curso e instituição e as informações sobre o financiamento solicitado.

2º Passo: Validação das informações

Após concluir sua inscrição no SisFIES, o estudante deverá validar suas informações na Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA), em sua instituição de ensino, em até 10 (dez) dias, a partir do dia imediatamente posterior ao da conclusão da sua inscrição.

A Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) é o órgão responsável, na instituição de ensino, pela validação das informações prestadas pelo candidato no ato da inscrição.

3º Passo: Contratação do financiamento

Após a validação das informações o estudante deverá comparecer a um agente financeiro do FIES em até 10 (dez) dias, sendo a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil os atuais Agentes Financeiros do Programa.

Fique atento! Os prazos para validação da documentação na CPSA e para comparecimento na instituição bancária começam a contar a partir da conclusão da inscrição no SisFIES e da validação da inscrição na CPSA, respectivamente, e não serão interrompidos nos finais de semana ou feriados.

publicidade:

Questões de Vestibular 2016

publicidade:

Todos os anos, e não seria diferente para o vestibular 2016, a maratona de estudos é a mesma, com os candidatos fazendo cursinhos, baixando provas e fazendo simulados e segurando a tensão normal que existe nesta fase da vida. Os professores de cursinho sempre recomendam que o treinamento para o vestibular seja feito através de provas aplicadas nos anos anteriores, sendo este um recurso mais do que explorado e o mais acertado até agora.

A ideia básica é que o aluno conheça o estilo da prova, pois isso evita o desafio maior que todos enfrentam no dia, a ansiedade.

vestibular 2016

publicidade:

As provas do vestibular são parecidas

Depois da implantação do Enem, principalmente, as provas de vestibulares acabam tendo um estilo bastante parecido. Assim, quando o aluno faz um simulado de uma prova de determinada faculdade, mesmo que não preste o vestibular 2016 para ela, vai estar mais familiarizado com o estilo e com a conformação da prova, um dado que pode ajudar bastante na hora do exame real.

O treinamento com as provas anteriores é também importante por fornecer a chance de colocar em prática tudo o que o aluno estudou. Assim, quanto mais simulados fizer, mais estará testando os próprios conhecimentos, podendo se preparar devidamente se encontrar dificuldade em alguma questão ou matéria.

A ideia é fazer o simulado como se fosse o vestibular de verdade

Os professores de cursinhos também recomendam que o aluno, na hora de resolver as questões do simulado, faça como se estivesse fazendo o vestibular de verdade. Procurar um lugar bem iluminado, sentado em uma cadeira como se estivesse na sala de provas, sem ouvir música ou ver televisão, ou seja, criar o cenário próprio, como se estivesse no vestibular. Isso ajuda na concentração e vai eliminar a ansiedade.

publicidade:

O candidato ao vestibular 2016 também pode trazer maior realismo ao cenário montado quando faz um simulado, fazendo o teste no mesmo horário em que irá prestar o vestibular. Então, se o vestibular for das 8 da manhã ao meio dia, esse tempo deve ser dedicado ao simulado, esquecendo o celular no quarto, levando uma garrafinha com água e alguma barra de cereal para matar a fome e se isolando, como vai ficar no dia do vestibular.

Para as provas de geografia e história ou sociologia, por exemplo, pode haver alterações e atualizações nas questões, mas as provas de matemática, física, química e biologia, em geral, não possuem muitas alterações. Fórmulas não mudam como o noticiário, e isso é excelente para treinar, para verificar até que ponto está entendendo e também para tirar dúvidas.

No caso das provas da área de humanas, as questões servem como modelo, para que o candidato conheça melhor o uso de mapas e tabelas. Como o programa é bastante amplo e são matérias que se atualizam todos os anos, muito raramente o candidato irá encontrar questões parecidas, e isso também serve para saber em que deve se atualizar, principalmente quando comparar simulados de anos diferentes.

Depois de feito o simulado, corrigir e resolver as dúvidas

O simulado deve ser feito até o final do prazo, não deixando de responder qualquer questão e se comportando como se estivesse no vestibular real. Só assim o aluno poderá sentir a pressão que irá passar no dia do vestibular e só assim irá se controlar melhor.

Depois de responder todas as questões, o candidato deve fazer a correção com o máximo critério possível, pegando o gabarito e comparando com o que respondeu. Se errou alguma questão, deve anotá-la para tirar a dúvida. O retorno que consegue com isso é muitas vezes melhor do que os estudos feitos para a prova.

publicidade: